Coordenadoria de Relações Internacionais

Coordenadoria de Relações Internacionais

Aconteceu entre os dias 14 e 18 de abril, na cidade do Rio de Janeiro, a 30ª conferência anual da Associação Brasileira de Educação Internacional – FAUBAI, o mais importante evento de internacionalização da educação superior na América do Sul. A conferência, que incluiu a realização de 13 workshops, 5 sessões plenárias e 48 sessões paralelas com 126 apresentações, contou com a participação de mais de 700 representantes da educação internacional, entre reitores, diplomatas, assessores, gestores, docentes e pesquisadores de diversos países, a fim de discutir a relação entre internacionalização e pesquisa, os desafios e estratégias para implementação de políticas de internacionalização e a atratividade da pesquisa brasileira. A Profa. Dra. Eliane Segati Rios Registro, Coordenadora de Relações Internacionais da UENP e representante da UENP na FAUBAI, esteve presente no evento, ocasião em que se deu a formação do novo Conselho Deliberativo, do qual assumiu a Vice-Presidência. Junto à Profa. Eliane, elegeu-se os seguintes nomes: Maria Leonor Alves Maia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) como Presidente; Marcelo Mira Tavares da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) como Secretário-Geral; Vanessa França Bonini Panico da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP) como Tesoureira; Prof. Luis Paulo Gomes Mascarenhas da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) como Represente das Instituições de Ensino Superior Estaduais e Municipais; Prof. Rafael Mattiello da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) como Representante da Região Sul; e como Suplente, Prof. Gisele Onuki da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Além de tomar posse do cargo de Vice-Presidente, a Profa. Dra. Eliane Segati mediou sessões de discussão e realizou três apresentações na conferência: “Collaborations For Internationalization: Blended Language Learning And Curriculum Partnerships, Brazil And Canada”, junto à Cath D'Amico e Glenda Fish da Trent University; “Parana Speaks English Program And Smrt English - First Results Of This Innovative Language Program”, junto ao representante da Smrt English, Paulo Silva; e “Parana Et Canada Parlent Francais!: Parana-Canada Cooperation For French Language Education Capacity-Building”, ao lado de Rachel Lindsey, diretora de Assuntos Internacionais do Languages Canada, e de Catherine Rodriguez da l'Université du Québec à Montréal (UQAM). Para a Coordenadora de Relações Internacionais, “a 30ª Conferência da FAUBAI propiciou ainda o aumento de parcerias entre a UENP e universidades estrangeiras, a realização de diversas reuniões com representantes de organizações internacionais, bem como a apresentação dos resultados obtidos através do Programa Paraná fala Idiomas, da parceria entre o Paraná fala Idiomas da UENP e a Smrt English, das parcerias com a organização Languages Canada e do Acordo de Cooperação entre a UENP (Campus de Cornélio Procópio e Campus de Jacarezinho) e a Trent University” e ressalta: “a UENP já está em evidência no cenário internacional!” Completando 30 anos em 2018, a FAUBAI reúne mais de 250 gestores ou responsáveis por assuntos internacionais, promovendo a integração e a capacitação dos mesmos, a fim de aperfeiçoar a cooperação internacional para a melhoria do ensino, da pesquisa, da extensão e da administração das instituições filiadas.
A Coordenadoria de Relações Internacionais informa que, no dia 09 de maio, das 13:00 às 13:45, haverá uma reunião via webconferência, aberta a todos os que se interessarem no Programa de Mobilidade PFI. Na ocasião, a Coordenadora irá explicar a respeito do programa, dar maiores informações e tirar possíveis dúvidas. Os interessados em participar deverão acessar o link: http://webconf2.rnp.br/uenp_2/ e fazer login como visitantes, indicando nome completo. Para tanto, é necessário ter o programa Adobe Flash Player atualizado e conexão de internet à cabo. Mais informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Um camping tipicamente americano realizado no Brasil. Water pong e versões customizadas de corre-lenço, dança da cadeira e outras brincadeiras.   Comida, muitos amigos, diversão e uma regra muito importante. Só pode se comunicar em inglês. A Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) promoveu, durante toda a sexta-feira, dia 27 de abril, a primeira edição do Immersion Day com a presença dos assistentes de ensino de língua inglesa vindos dos Estados Unidos.           O evento, realizado por meio da Coordenadoria de Relações Internacionais (CRI), aconteceu na Fazenda São Francisco, no município de Cambará, e contou com a participação de quase 40 membros da comunidade acadêmica. Dentre eles, estudantes da graduação e pós-graduação, professores, membros da CRI e os assistentes estadunidenses, que se envolveram em todo o planejamento e organização do evento. Segundo a coordenadora da CRI, Profa. Dra. Eliane Segati Rios Registro, o Dia de Imersão serve como um evento completo para a prática e o aprimoramento do inglês dos participantes. “Ter a realização de um encontro como esse em um lugar aberto, fora do ambiente formal de sala de aula é fundamental para que a comunidade possa evoluir seu idioma”, disse. “Além disso, a experiência que eles têm aqui é semelhante a quando se vai para o exterior, que envolve se comunicar apenas na língua estrangeira, com nativos. Mesmo em cursos de Letras, na maioria do tempo, os acadêmicos falam em português. Por isso, um dia todo de imersão ajuda a mostrar para os acadêmicos que eles podem se comunicar no outro idioma e que têm o amparo de amigos e colegas”, acrescenta.   Envolvida diretamente com a promoção do evento, a bolsista da CRI, Carolina Martoni, comenta a importância do contato próximo entre comunidade, assistentes estrangeiros e o contexto da imersão cultural. “Aqui não há um senso de hierarquia, de julgamento ou avaliação. Por isso, as pessoas podem agir de forma mais espontânea e assim praticar seu inglês. ]Com a imersão na cultura americana, os participantes têm uma experiência ainda mais completa no desenvolvimento do idioma estrangeiro”, acentua. “Team work makes the dream work” A frase escrita em uma lousa no meio das atividades significa “Trabalho em grupo faz o trabalho dos sonhos”.   Este trabalho em grupo foi uma das maneiras que os assistentes americanos encontraram para estimular a prática do inglês dos participantes, segundo um dos nativos da língua, Karl Schneider. “Usamos o trabalho em grupo para ajudar os participantes a interagirem entre si e fazer o máximo possível para exercitar o inglês. Mas, além disso, essa prática incentiva a interação social e a criar uma noção de cooperação entre todos os colegas, por isso, o crescimento não é apenas na língua, mas também uma evolução humana”, descreve. Cindy Tuz, outra dos assistentes norte-americanos, comenta a experiência do contato com os participantes.   “O trabalho cooperativo, competitivo e interativo que realizamos aqui hoje se assemelha com summer camps que realizamos nos Estados Unidos. É realmente um dia todo de imersão que proporciona aos acadêmicos a possibilidade de aprimorar seus conhecimentos não só na língua, mas também na cultura de outro país”, completa. Participantes dos três campi da UENP marcaram presença no primeiro Immersion Day. A estudante de Direito, Anny Lods, aprovou a experiência vivenciada no evento. “Eu gostei de tudo. Acho que praticar inglês dessa forma, com interação e em um lugar como uma fazenda, fora das carteiras da sala de aula e com exercícios físicos divertidos é a melhor maneira de melhorar no inglês”, relata. O estudante da especialização em Humanidades, Carlos Eduardo Paiva, diz que o evento acrescenta na prática de uma língua viva em diversas atividades culturais das quais consome.       “O inglês sempre esteve presente nos jogos, nas músicas, nos filmes e nas séries que gosto. É muito bom poder praticar a língua aqui, com falantes nativos e todos os colegas. Sem dúvida, é muito proveitoso”, destaca. Docentes da UENP também fizeram parte da imersão. A professora do curso de Veterinária, Mariza Fordellone Rosa Cruz, participou de todas as brincadeiras e aprovou a experiência como um todo. “É sem dúvida a melhor forma de praticar inglês. Espero que aconteça mais vezes e que sejam tão boas como esta. É um momento em que se aprende com descontração, interação e imersão em uma outra realidade, por isso, é bastante gratificante”, finaliza.    
Um camping tipicamente americano realizado no Brasil. Water pong e versões customizadas de corre-lenço, dança da cadeira e outras brincadeiras. Comida, muitos amigos, diversão e uma regra muito importante. Só pode se comunicar em inglês. A Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) promoveu, durante toda a sexta-feira, dia 27 de abril, a primeira edição do Immersion Day com a presença dos assistentes de ensino de língua inglesa vindos dos Estados Unidos. O evento, realizado por meio da Coordenadoria de Relações Internacionais (CRI), aconteceu na Fazenda São Francisco, no município de Cambará, e contou com a participação de quase 40 membros da comunidade acadêmica. Dentre eles, estudantes da graduação e pós-graduação, professores, membros da CRI e os assistentes estadunidenses, que se envolveram em todo o planejamento e organização do evento. Segundo a coordenadora da CRI, Profa. Dra. Eliane Segati Rios Registro, o Dia de Imersão serve como um evento completo para a prática e o aprimoramento do inglês dos participantes. “Ter a realização de um encontro como esse em um lugar aberto, fora do ambiente formal de sala de aula é fundamental para que a comunidade possa evoluir seu idioma”, disse. “Além disso, a experiência que eles têm aqui é semelhante a quando se vai para o exterior, que envolve se comunicar apenas na língua estrangeira, com nativos. Mesmo em cursos de Letras, na maioria do tempo, os acadêmicos falam em português. Por isso, um dia todo de imersão ajuda a mostrar para os acadêmicos que eles podem se comunicar no outro idioma e que têm o amparo de amigos e colegas”, acrescenta. Envolvida diretamente com a promoção do evento, a bolsista da CRI, Carolina Martoni, comenta a importância do contato próximo entre comunidade, assistentes estrangeiros e o contexto da imersão cultural. “Aqui não há um senso de hierarquia, de julgamento ou avaliação. Por isso, as pessoas podem agir de forma mais espontânea e assim praticar seu inglês. Com a imersão na cultura americana, os participantes têm uma experiência ainda mais completa no desenvolvimento do idioma estrangeiro”, acentua. “Team work makes the dream work” A frase escrita em uma lousa no meio das atividades significa “Trabalho em grupo faz o trabalho dos sonhos”. Este trabalho em grupo foi uma das maneiras que os assistentes americanos encontraram para estimular a prática do inglês dos participantes, segundo um dos nativos da língua, Karl Schneider. “Usamos o trabalho em grupo para ajudar os participantes a interagirem entre si e fazer o máximo possível para exercitar o inglês. Mas, além disso, essa prática incentiva a interação social e a criar uma noção de cooperação entre todos os colegas, por isso, o crescimento não é apenas na língua, mas também uma evolução humana”, descreve. Cindy Tuz, outra dos assistentes norte-americanos, comenta a experiência do contato com os participantes. “O trabalho cooperativo, competitivo e interativo que realizamos aqui hoje se assemelha com summer camps que realizamos nos Estados Unidos. É realmente um dia todo de imersão que proporciona aos acadêmicos a possibilidade de aprimorar seus conhecimentos não só na língua, mas também na cultura de outro país”, completa. Participantes dos três campi da UENP marcaram presença no primeiro Immersion Day. A estudante de Direito, Anny Lods, aprovou a experiência vivenciada no evento. “Eu gostei de tudo. Acho que praticar inglês dessa forma, com interação e em um lugar como uma fazenda, fora das carteiras da sala de aula e com exercícios físicos divertidos é a melhor maneira de melhorar no inglês”, relata. O estudante da especialização em Humanidades, Carlos Eduardo Paiva, diz que o evento acrescenta na prática de uma língua viva em diversas atividades culturais das quais consome. “O inglês sempre esteve presente nos jogos, nas músicas, nos filmes e nas séries que gosto. É muito bom poder praticar a língua aqui, com falantes nativos e todos os colegas. Sem dúvida, é muito proveitoso”, destaca. Docentes da UENP também fizeram parte da imersão. A professora do curso de Veterinária, Mariza Fordellone Rosa Cruz, participou de todas as brincadeiras e aprovou a experiência como um todo. “É sem dúvida a melhor forma de praticar inglês. Espero que aconteça mais vezes e que sejam tão boas como esta. É um momento em que se aprende com descontração, interação e imersão em uma outra realidade, por isso, é bastante gratificante”, finaliza.
O Programa “Paraná Fala Idiomas/Inglês”, em parceria com a Languages Canada, acaba de lançar o programa de Mobilidade Internacional! Com o intuito de estimular os alunos, oportunizar o contato direto com a língua inglesa e fomentar ações conjuntas entre as universidades paranaenses e as universidades canadenses, o Programa de Mobilidade visa premiar dois alunos de cada universidade estadual do Paraná com uma bolsa de imersão de 3 a 4 semanas no Canadá. Poderão se inscrever docentes, discentes e agentes universitários que participaram dos cursos do Paraná Fala Inglês durante o segundo semestre de 2017, que tenham obtido nível mínimo B1 no TOEFL e que atingiram frequência superior a 75% e desempenho acadêmico superior a 70%. Para detalhes e mais informações, consulte o edital: http://cri.uenp.edu.br/…/240-edital-016-2018-programa-…/file Em caso de dúvidas, entre em contato por e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Quarta, 28 Março 2018 16:36

Smrt Live Class - 2018

No dia 29 de março de 2018, às 18:30 (horário de Brasília), serão retomadas as Smrt Live Classes realizadas pela Smrt English em parceria com o Paraná Fala Inglês. As aulas são online, gratuitas e exclusivas para a comunidade acadêmica das universidades estaduais do Paraná. A proposta da Live Class é ter um professor-mediador canadense para abordar e discutir assuntos genéricos com os estudantes das IES. Assim, os alunos têm a oportunidade de melhorar o inglês por meio de interações com professores nativos. Em 2018, espera-se um número de participantes ainda maior que no ano passado.
O secretário João Carlos Gomes fez o lançamento na terça-feira (13/03), do Programa Paraná fala Francês, durante reunião realizada no Palácio Iguaçu. O programa faz parte da primeira etapa de um programa maior, pertencente ao plano estratégico da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI) chamado “Paraná fala Idiomas", que tem como objetivo contribuir com a promoção da internacionalização das universidades estaduais do Paraná. No mesmo dia, na SETI, os coordenadores institucionais, juntamente com os professores selecionados participaram de workshops temáticos para capacitação linguística e pedagógica com professores de referência internacional das universidades de Montreal, Quebéc de Montreal (UQAM) e McGill. Os temas abordados foram sobre testes de nivelamento, plano curricular, planejamento e seleção de materiais didáticos e integração de tecnologias no ensino de línguas. Em agosto de 2017, o governador Beto Richa esteve em Montreal, no Canadá, onde confirmou o acordo geral de cooperação com a região. A proposta tem como objetivo desenvolver parcerias na área audiovisual e no ensino da língua francesa no Paraná. O Programa Paraná fala Idiomas, executado pela Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, por meio das sete universidades estaduais irá coordenar as ações que irão apoiar o processo de internacionalização. O novo programa tem como objetivo fomentar parcerias com países falantes de língua francesa, a fim de promover ações conjuntas em prol da qualificação, fortalecimento e expansão do Programa Paraná fala Idiomas. “Estamos investindo na consolidação do processo de internacionalização desenvolvido pelas universidades estaduais. Trata-se de um programa que vai estimular ações diretas e intensivas em rede no contexto universitário, que contribuam para a execução de programas de mobilidade internacional”, destacou o secretário João Carlos. Para reitora da UENP, Fátima Aparecida da Cruz Padoan, o programa será muito importante para contribuir com o processo de internacionalização das instituições de ensino superior do Paraná, em especial, para a UENP que tem estabelecido sólidas parcerias com instituições estrangeiras. “Esta ação beneficiará nossos estudantes, professores e agentes universitários, possibilitando assim ampliar o processo de internacionalização da nossa Universidade”, disse a reitora. O evento contou ainda com a presença do vice-reitor da UENP, Fabiano Gonçalves Costa. Segundo a coordenadora estadual do Programa Paraná fala Francês, Profa. Dra. Eliane Segati Rios Registro, o programa inicia de forma consciente e estruturada, com parceiros que são referência no ensino de francês como língua estrangeira, possibilitando à equipe do programa uma capacitação intensiva e qualificada, com perspectivas de ampliação das ações em conjunto que contribuirão para o desenvolvimento do processo de internacionalização do Estado. Serão ofertados cursos que viabilizem a utilização da língua francesa e auxiliem na formação de docentes de diferentes áreas do conhecimento. “Esses e outros cursos previstos contribuirão para potencializar as publicações em revistas internacionais, e também contribuirão para o preparo da comunidade acadêmica para o cenário da pesquisa, do ensino e da extensão, a partir de um cenário de diversidade linguística e cultural”, reforçou a coordenadora. O Programa terá como parceiros o Governo Canadense, representado pela Languages Canada, uma associação do setor de educação linguística do Canadá, o Consulado da França e a Aliança Francesa de Curitiba. Na UENP o Programa inicia suas aulas em agosto, fique atento aos prazos!
Quatro profissionais estadunidenses chegaram à Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) para atuar como Assistentes de Ensino de Inglês (ETAs, em inglês). Eles foram recepcionados, na manhã de quinta-feira (08/03), pela reitora da UENP, Fátima Aparecida Cruz Padoan, e pelo vice-reitor, Fabiano Gonçalves Costa. Os assistentes atuarão na UENP por meio do Programa CAPES/Fulbright de Assistente de Ensino de Língua Inglesa até o mês de novembro. Andrew Joseph Marson e Karl Eugene Schneider irão desenvolver atividades no Campus de Cornélio Procópio e Preston Thomas e Cindy Dzib Tuz, no Campus de Jacarezinho. Os profissionais americanos irão atuar diretamente com os cursos de Letras/Inglês, auxiliando os professores das disciplinas que estão relacionadas à oralidade na língua inglesa. Por esse motivo, a permanência dos assistentes está fixada nos municípios onde há o curso de Letras, mas a atuação dos profissionais estará disponível à comunidade acadêmica dos três campi. Quinzenalmente, os ETAs participarão de workshops temáticos itinerantes, cujos detalhes ainda estão sendo definidos. Mensalmente, serão promovidos “dias de imersão”, em que situações do dia a dia serão resolvidas utilizando a língua inglesa. Semanalmente, na reitoria, os assistentes estarão disponíveis para aulas de conversação. Elas serão realizadas às terças-feiras, das 12h30 às 13h30. Esses eventos serão promovidos e divulgados individualmente pela Coordenadoria de Relações Internacionais (CRI) da UENP, e estarão abertos à comunidade interna. Entretanto, as vagas serão limitadas e irão respeitar a ordem de inscrição. Segundo a reitora da UENP, Fátima Aparecida Cruz Padoan, a presença dos ETAs na Universidade trará grandes benefícios à Instituição. “Com o trabalho a ser desenvolvido pelos assistentes de ensino, teremos condições de garantir aos nossos alunos, professores e agentes universitários um contato direto com falantes nativos da língua inglesa, o que certamente contribuirá para o aperfeiçoamento do idioma”, destaca a reitoria. “Isso ajudará nos projetos de vários acadêmicos que estudam esse idioma. Auxiliará ainda nos projetos dos professores e também nos Institucionais”, finaliza. A coordenadora da CRI, Profa. Dra. Eliane Segati Rios Registro, ressalta a riqueza da experiência de ter falantes nativos da língua inglesa próximos à comunidade. “A maioria das pessoas, mesmo as que estudam inglês, nunca sequer tiveram contato com falantes nativos. O sotaque é único e diferente. Até mesmo entre os quatro, do mesmo país, há diferenças. Será uma grande experiência para todos nós”, acentua. Assistentes de Ensino de Inglês Selecionadas por meio do Programa CAPES/Fulbright de Assistente de Ensino de Língua Inglesa, os profissionais americanos vêm de diversas áreas do conhecimento. Andrew Marson já era professor nos Estados Unidos e também participou de experiências educacionais na Coreia do Sul. “Os dois países possuem diferenças e semelhanças que conseguimos conhecer e explorar e enriquecem a nossa experiência. Mas, sem dúvida, há uma grande vontade de aprender e muito interesse por parte das pessoas que já conhecemos aqui”, disse Andrew. Cindy Tuz, da área das Comunicações, já esteve no Brasil e diz estar animada com a experiência que está por vir. “Conseguimos ver nas pessoas o entusiasmo e o interesse por nós, nossa cultura e nosso trabalho. Tudo isso faz com que tenhamos muita vontade de passar o máximo de conhecimento e experiência a todos eles”, disse. Karl Schneider é economista e já esteve no Brasil participando de intercâmbio em Salvador e Belém. Sobre suas expectativas, destacou as especificidades do povo brasileiro. “Eu nunca estive no Sul do país, mas já pude perceber que o povo daqui é muito legal e caloroso. Por isso, eu tenho certeza de que teremos grandes experiências de aprendizado mútuo pela frente”, ressalta. O antropólogo Preston Thomas, por sua vez, nunca havia estado na América do Sul. Thomas, que trabalha com educação sem fins lucrativos, destaca que as experiências devem acrescentar muito para sua vivência profissional e para o conhecimento da comunidade. “É evidente a grande vontade que todos têm de aprender conosco e também nos ensinar. Tanto em minha residência temporária, como na Universidade, fomos extremamente bem recebidos”, conta. Em novembro, os quatro ETAs, que estão na UENP, retornarão aos Estados Unidos e, em março de 2019, quatro novos assistentes irão chegar à Universidade para atuar durante o ano seguinte.
Sexta, 01 Dezembro 2017 15:56

Smrt English visita PFI/UENP

Sexta, 01 Dezembro 2017 15:53

Smrt English visita PFI/UENP

Nesta quinta-feira (30/11), a Equipe do Paraná Fala Inglês teve o prazer de receber Elana Palmer e Paulo Silva, representantes da Smrt English, na UENP! Na ocasião, os professores discutiram novas ações de internacionalização, debateram sobre o desenvolvimento dos cursos e, também, sobre a plataforma Smrt. Além disso, os alunos do PFI e do curso de Letras puderam interagir com os docentes canadenses, expor opiniões a respeito da plataforma e dos cursos, bem como apresentar os projetos de Iniciação Científica que são desenvolvidos na universidade.
Página 2 de 13