Segunda, 20 Julho 2015 10:20

Rafael Braz da Paz Oliveira - Discente Outbound - Colômbia

Escrito por
Nome: Rafael Braz da Paz OliveiraCurso: Letras – Português/EspanholDestino: ColômbiaUniversidade de destino: Universidade Santo TomasPeríodo: Um semestre letivo referente ao ano de 2015Tipo de Mobilidade: BRACOL   Ahhh, Colombia! Querido leitor, Se você leu esse “Ahhh” como um medo (susto), você esta certo. Mas se leu como um suspiro de amor, você continua tendo toda razão, ou talvez tenha lido como um grunido de raiva, nesse quesito te recomendo um maracujá, pois não encontrei motivos para aborrecer por aquí, realmente é um sonho realizado. Vai sozinho? Você não tem medo? Como vai se virar por lá? E a faculdade o que vai fazer? Essas foram perguntas feitas e repetidas várias vezes por amigos e familiares antes de vir, e sim, eu tive medo (escondido claro, não dizia aos demais isso), medo de avião, medo de “apanhar” do idioma, medo da solidão, medo de faltar dinheiro, medo de não acompanhar a faculdade, principalmente medo de sair de minha zona de conforto, mas no fundo mesmo, são esses mesmos medos que nos motivam ainda mais a fazer o intercâmbio e são eles que tornam ainda mais linda toda a experiência. Se você tem o medo da solidão, relaxe, fiz mais amigos do que se poderia fazer em um primeiro dia de aula em uma nova escola, pois, assim como eu, vieram vários intercambistas de outros países e, por consequência, novas historias, experiências, costumes, intrigas (não, não brigamos: apenas competimos para ver quem defende mais sua patria)e é nesses momentos que paramos de observar a grama verde do vizinho, e mostramos o verdadeiro potencial de nosso jardim, das nossas palmeiras onde cantam os sabiás, realmente as aves que aquí gorjeiam, não gorjeiam como lá. Fazer um intercâmbio é entregar-se ao aprendizado, crescer intelectualmente. Quanto à faculdade, realmente temos um ritmo distinto, afinal são outros métodos didáticos e teóricos, mas como o ser humano tem a habilidade de se adaptar, nada é um desafio impossivel. Motivo de estar dizendo tudo isso? Fácil: tenho uma pessoa que faço questão de deixar umas linhas de homenagem, pois foiela que me inspirou a sequir a carreira docente e a de um viajante aprendiz, à essa só tenho a agradecer e da mesma forma que ela me inspirou gostaria de inspirar os Uenpianos a fazer o mesmo, somos nosso próprio limite, devemos nos deixar viver e conhecer. Enfim, meu leitor, bote a cara no sol, se joga no escuro, FAÇA UM INTERCÂMBIO, só não deixe o forninho cair (sim, as expressões e gírias brasileiras também fazem falta e perdi várias piadas).    
Última modificação em Quarta, 13 Setembro 2017 13:13